Super Brinquedos Duram o Verão Todo

Brian Aldiss – Super brinquedos duram o verão todo

por Leonardo Carnelos – Art Perceptions (www.artperceptions.com)

Sci-fi writer Brian Aldiss

Brian Wilson Aldiss é um escritor britânico de ficção científica. Grandemente influenciado pelo pioneiro de ficção científica H. G. Wells, Aldiss é o vice-presidente da H. G. Wells Society. Sua maior realização é o conto Super-Toys Last All Summer Long (Superbrinquedos duram o verão todo) que serviu de base a Stanley Kubrick[bb] e Steven Spielberg[bb] para o roteiro do filme A.I. – Inteligência Artificial.

superbrinquedos-duram-o-vero-todo

Superbrinquedos duram o Verão Todo

A história narra a saga de um menino, David, incapaz de demonstrar todo o amor que sente à sua mãe, Monica, que não retribui as tentativas de afeto do filho. O terceiro personagem da história é Henry, um marido e pai ausente por estar muito centrado em seu trabalho, o desenvolvimento de robôs inteligentes que se tornem companheiros dos seres humanos.  

Zona de Spoilers!

Enquanto luta por atenção de sua mãe, David, uma criança que carrega um ursinho de pelúcia, é questionado a todo momento sobre o que é real e o que não é. Obviamente ele se recusa a todo momento a acreditar que ele não seja de verdade filho de Monica e Henry. Entretanto, com o desenrolar da história, descobrimos que finalmente o casal teve a autorização do governo para ter um bebê de verdade, neste momento é revelado que David é um robô protótipo, desenvolvido pela empresa de Henry. Obviamente David se recusa a acreditar.

Um robô chamado David, que carrega um ursinho de pelúcia não é novidade na literatura de ficção científica. O conto Second Variety de Philip K. Dick, escrito em 1953, possui exatamente o mesmo personagem, e lá a grande revelação é que David na verdade é um screamer, um robô assassino treinado para se aproximar dos humanos sem levantar suspeitas. A influência de Philip K. Dick no conto de Brian Aldiss é clara, porém o mérito do escritor inglês é de ter criado um robô criança, condenado a passar a eternidade sentindo um amor impossível e não correspondido por aquela que ele achava ser sua mãe, pois esta é a sua diretriz principal. Que cruel e genial ao mesmo tempo! Não é a tôa que o conto tenha despertado o interesse de Stanley Kubrick, como veremos mais a frente.

Superbrinquedos quando vem o inverno

Neste segundo conto, Brian Aldiss descreve David, encontrando seu criador e com ele várias cópias iguais a ele. Só depois disso ele se convence de que realmente não é uma criança de verdade.

Superbrinquedos em outras estações

No terceiro e último conto, Brian Aldiss descreve um David abandonado pela família, vagando em um lixão junto com outros robôs que foram desprezados por seus donos, e todos eles estão condenados a passar a eternidade (ou pelo menos até a bateria acabar) tentando cumprir suas diretrizes primárias como ser um escavador, ser um mineirador, ou no caso de David, sentir amor por sua mãe já falecida. Em paralelo, o escritor nos transporta para uma discussão corporativa, onde Henry, o “pai” de David insiste com seus colegas que a empresa deveria expandir seus negócios para Marte, no entanto o que vemos ao final da discussão é a demissão, seguida da aposentadoria compulsória de Henry. E o paralelo fica claro, assim como um robô velho ele também não serve pra mais nada naquela sociedade, ele foi substituído por pessoas mais novas e com visões de trabalho diferentes. Ao perceber isso, e em uma tentativa de redenção, ele vai a procura de David nos lixões e promete ficar com ele até o fim de sua vida como uma forma de recompensar a forma como negligenciou a esposa durante anos se dedicar somente ao trabalho. E é com esta união de pai e filho, ambos ultrapassados, que Brian Aldiss termina a sua história.

ai-david-teddy

Inteligência Artificial

O filme Inteligência Artificial foi lançado em 2001, sob a direção de Steven Spieldberg e roteiro de Stanley Kubrick. A história do filme, com algumas adaptações foi baseada nos três contos de Brian Aldiss acima descritos.

Da parte técnica devo ressaltar a trilha sonora sóbria e a fotografia impecável. A narrativa pode ser considerada um pouco lenta para a época do filme, mas ele se faz necessária para que o expectador absorva a mensagem que o filme está passando, além de apreciar os grandiosos cenários visuais e estéticos que foram criados.

A história é centrada na saga de David (Haley Joel Osment[bb]), o menino robô que foi programado para amar sua “mãe” incondicionalmente, porém logo após o filho verdadeiro de Monica acordar do coma, o ciúme do menino faz com que os pais decidam se livrar daquele robô predestinado a amar. Com pena dele, Monica se recusa a destruí-lo e esta talvez tenha sido a coisa mais cruel que ela tenha feito. David é abandonado e começa a vagar sem rumo, é perseguido e quase destruído por um freakshow formado por humanos com medo de perder seus lugares para as máquinas. Ele se salva ao fingir que é ua criança de verdade e é ajudado por um robô gigolô (Jude Law[bb]), que passa a ser seu companheiro de viagem.

Em sua jornada, David encontra a fábrica que o criou e entende que ele é apenas uma cópia, uma tentativa do dono da fábrica de robôs de repor um de seus filhos que havia falecido. Já quase sem esperança, ele cai no mar de uma Nova Iorque inundada e encontra a estátua da Fada Azul, das histórias de Pinóquio. Neste momento, entendemos que o diretor quis traçar um paralelo entre a saga de David e o conto de fadas Pinóquio, com isto em mente é possível encontrar diversos padrões que corroboram a teoria desde a vontade de se tornar um menino de verdade tanto de David quanto do menino de madeira; até a criação de amor do nada, a partir de uma poção mágica ou de uam pré-programação.

O final do filme era um rascunho de Kubrick, já que ele acreditava que um dia a inteligência artificial tomaria conta do mundo e de que a humanidade seria superada. Os seres que aparecem na Terra já congelada são robôs mais desenvolvidos, quando eles descobrem David, no fundo do oceano, seria como nós humanos encontrássemos o elo perdido. David se tornou uma relíquia arqueológica.

O final do filme pode aparentar ser feliz, o que remeteria a um final clássico de contos de fadas, e talvez tenha sido esta a intenção de Stanley Kubrick, mas eu não considero o final nada feliz. David estava escravizado a amar uma pessoa e ficou por diversas gerações no fundo do mar rezando para uma estátua com a esperança de se tornar um menino de verdade. Ao ser encontrado e descongelado, fica claro que sua mãe e provavelmente toda a raça humana tenha se extinguido. David então é colocado num ambiente simulado e observado como um animal selvagem num zoológico. A ilusão criada a partir de suas memórias é só mais um pretexto para que o “robô pré-histórico” seja estudado. E talvez seja este o final de um amor possessivo e doentio criado do nada, se apegar a uma mentira até acreditar que ela seja verdade para continuar vivendo.

Informações adicionais

Brian Aldiss escreveu em 1969 o conto Superbrinquedos duram o verão todo, em 1976, o diretor Stanley Kubrick comprou os direitos de adaptação do conto para o cinema. A partir de 1982, diretor e escritor começaram a trabalhar num roteiro para a adaptação deste conto em mais um filme de ficção científica.

Kubrick teria ficado fascinado com o conflito de um robô criança, que achava estar vivo e que só queria o carinho de seus pais. Foi ele também que viu semelhanças entre a saga de David e Pinóquio e achou que o paralelo entre as duas histórias funcionariam bem no roteiro. Aldiss nunca gostou desta idéia e isso gerou alguns conflitos entre os dois. Stanley Kubrick nunca chegou a gravar o filme por dois motivos:

1) Ele queria que o filme fosse rodado com um robô de verdade, e para isso chegou a entrar em contato com diversas indústrias japonesas para encomendar um protótipo que pudesse ser usado no cinema, sem sucesso.

2) Ele não sabia como terminar o filme, não estava satisfeito com as possibilidades que tinha. Ele acatou algumas sugestões de Brian Aldiss como mostrar David encontrando várias cópias de robôs idênticos a ele, inundar Nova York, mas nunca acatou a nenhuma sugestão do escritor em relação ao final do conto, principalmente por que Brian Aldiss nunca concordou com o paralelo de sua história com o conto de fadas.

Já no fim da vida, seu projeto caiu nas mãos de Steven Spieldberg. A partir daí, o escritor tentou se envolver novamente no projeto, e para isso escreveu mais dois contos que seriam continuação deste primeiro: Superbrinquedos quando vem o inverno e Superbrinquedos em outras estações, já descritos acima.

Steven Spieldberg comprou o direito de uso destas duas novas continuações, mas acabou não utilizando praticamente nada nas filmagens. Seu desejo era de dirigir o filme o mais próximo do desejo de Stanley Kubrick, mesmo Kubrick não estando satisfeito com o seu final, a ponto de ter ficado 23 anos trabalhando nesta história. Portanto, apesar de muitas gente achar que o filme é de Kubrick mas o Spieldberg estragou com seu final meloso, saibam que o final era sim do Kubrick

Fonte: prefácio do livro Superbrinquedos duram o verão todo e outros contos de Brian Aldiss.

Devo ainda dizer que um David, um robô criança que carrega um ursinho de pelúcia já havia aparecido no conto Second Variety (Segunda Variedade) de Philip K. Dick, escrito em 1953. Aliás, no mesmo conto de Philip K. Dick nós também vemos David encontrando uma porção de cópias iguais a ele, e num outro conto de Philip K. Dick, O Impostor, vemos a reprogramação de um robô a partir de comandos de voz. Vejam, eu não quero sugerir que Brian Aldiss plagiou Philip K. Dick, mas a única afirmação que posso fazer é que Brian Aldiss era fã de Philip K. Dick, já que em 1976 quando Kubrick o procurou Aldiss pela primeira vez, o escritor sugeriu ao diretor que adaptasse para o cinema o conto Martian time-slip (Tempo de lapso marciano) de Philip K. Dick.

Referências

Brian Aldiss http://pt.wikipedia.org/wiki/Brian_aldiss

Super Brinquedos duram o verão todo http://en.wikipedia.org/wiki/Super-Toys_Last_All_Summer_Long

Inteligência Artificial http://www.imdb.com/title/tt0212720/?ref_=fn_al_nm_1a

Stanley Kubrick http://www.imdb.com/name/nm0000040/?ref_=fn_al_nm_1

Steven Spieldberg http://www.imdb.com/name/nm0000229/?ref_=tt_ov_dr

Pinocchio http://en.wikipedia.org/wiki/Pinocchio

No Responsesto “Super Brinquedos Duram o Verão Todo”

Leave a Reply

'