HunterCast 003 – BABACA!! Não jogue pedra no Ent!!

VitrineHC003

Saudações interpretativas queridos ouvintes!

Na caçada deste mês os Hunters Koallace, Leônidas e Órion convidam o estalajadeiro Alexandre “NerdMaster” para conversar sobre uma paixão em comum: O RPG!!

Saiba neste cast:

  • Como não agir na presença de um semi deus Orc?
  • As consequências de ser um jogador F$%#$%
  • Como fazer um jogador F%¨$%¨$ desistir da partida?
  • Como os dados podem ferrar com os planos de um mestre?

Métodos de contato dos caçadores:

PROMOÇÃO REÚNAM SEUS HUNTERS!!!!

Traga seus amigos para ouvir o HunterCast, curta nossa página do Facebook e do Twitter (os links estão acima). Aquele que tier o maior número de Hunters reunidos ganhará um encardenado TORRE DE BABEL!

Reproduzir

Arquivo compactado (.zip): Download

6 Responsesto “HunterCast 003 – BABACA!! Não jogue pedra no Ent!!”

  1. Koallace disse:

    conte sua historia de RPG para ser lido no proximo cast e não esqueça de conferir mais detalhes na promoção na leitura de emails desse cast.

  2. Simões Neto disse:

    Tenho uma história boba, mas engraçada (bem… pelo menos foi no dia): Estávamos jogando vampiro a máscara mas numa campanha onde os personagens eram humanos caçadores de vampiros na era medieval. Importante destacar que não usávamos magia e a ambientação era mais "próximo do real", tudo esclarecido no início do jogo. O grupo era formado com alguns jogadores com experiência em RPG e um rapaz que não tinha nenhuma experiência. Pronto para entrar em um igreja abandonada, que provavelmente tinha vampiros, o mestre pergunta ao jogador iniciante: "e aí? O que vc vai fazer?". Ele para, pensa um pouco e responde falando sério: "bem, inicialmente vou criar um campo de força em volta de mim". O jogo teve que ser parado por alguns minutos para explicar novamente algumas regras básicas e esperar o riso passar.

    p.s.: O jogo "Chrono Trigger" se fala como se escreve, "Chrono TrAIgger" é uma invenção de quem gosta de falar difícil…

  3. Ah, considerando que eu sou de uma época que "nerd" era ofensa (e, pra mim, ainda é), fico feliz que d RPG eu "escapei" (ao menos na infância e adolescência). Só fui ter algum contato com isso graças ao jogo Phantasy Star, pro Master System (que foi amplamente divulgado como o primeiro jogo totalmente em português ou como o primeiro que tinha "save" ou algo assim). Mas graças a uma daquelas "dicas tec toy" que vinham nas revistas da Mônica, eu peguei ódio do jogo logo de cara (o truque pra começar com mais dinheiro não funcionava e eu não sabia o que tinha que fazer mesmo lendo as instruções).
    A partir daí, tudo que tinha essa sigla eu simplesmente ignorava.
    Mas quando "esse negócio chamado internet" começou, eu fiz parte de um "grupo de e-mails" das antigas listas de discussão que fazia o que parecia ser um RPG… Mas não tinha mestre e eu não entendia muito bem a dinâmica, em pouco tempo estava só eu escrevendo uma "novelinha" com cada vez mais personagens e cada vez menos sentido.
    E já que citaram episódios de desenho que usam RPG, eu sugiro um do Laboratório de Dexter que ele está com amigos jogando e aí a Didi passa a mestrar e transforma o paladino que o Dexter estava "interpretando" em um hobbit. Ou também o episódio de Futurama em que o Bender causa uma distorção na realidade e eles passam a viver uma aventura inclusive lançando os dados a cada ação.

  4. Será que aqui cabe um jabá de uma tirinha sobre RPG e Dragon Ball que fiz há algum tempo? http://www.sapobrothers.net/sb/dragonball.htm

  5. Lemure Lemuroso disse:

    Uma vez em um RPG Cyberpunk,constituído por um grupo um tanto quanto diferenciado:Um samurai,Um Medico,Uma Furrie,Um coala e todos os outros personagens bizarros imagináveis,mas vamos focar no médico(Eu) e o samurai.Depois de uma batalha envolvendo policiais e coalas,nossos personagens retornaram a nave principal e o médico resolveu começar uma intriga com o samurai.Os dados estavam ao meu favor e consegui afundar uma bisturi no olho do samurai e arrancar-lo.Depois de vários turnos onde os dados estavam ao meu favor,o samurai acabou irreconhecível no chão com a cara explodida por tiros.Foi a cena mais bizarra possível,o médico que em teoria seria o suporte e não entraria em batalha,conseguiu matar um dos mais fortes do grupo.Depois disso o mestre ainda reviveu o maldito,porém seria melhor não ter revivido,as situações que ele passou depois…Era melhor ter criado outro personagem.

  6. antoniocpereira1986 disse:

    Sei que este comentário está caduco, mas vale a pena engrossar a fila da moderação.
    Certa vez, passei semanas para criar o background de meu personagem definitivo, semanas entre remendando pontas soltas e negociação com o mestre para me permitir chutar todas as regras existentes, mais pela história em si do que pela vantagem. O personagem se chamava Eclypse (isso é pré lançamento dos livros, hoje eu pensaria 2x antes de usar este nome de novo), e ele era um celeste menor que foi condenado a morte por traição (que era uma conspiração na verdade), e a pena de morte entre estas entidades era feita através do suicídio, para provocar a maior desonra possível ao apenado.
    Após a sentença ser cumprida, um deus menos lançou a magia reencarnação sobre o celeste, mas por ser uma divindade com poderes muito limitados, a magia não foi totalmente efetiva, com isso, Eclypse reencarnou em um Elfo da Noite (que tem pele cinza), mas manteve partes de sua outra vida, metade da face e o braço, e para evitar ser reconhecido por celestes ele usava uma máscara para esconder as suas duas faces.
    As partes angelicais eram meramente estéticas, não ganhava benefícios por isso, e abri mão dos ajustes pensando em facilitar a vida do mestre e não dar colher de chá para o grupo, que poderia ficar "encostado" no meu personagem por ser OP de mais. Haviam outras características como a voz sussurrante pelo fato dele ter cortado a própria garganta na vida passada, e outras coisas de interpretação que deixarei de fora.
    Por que contei tudo isso? Foi para chegar a um dos melhores momentos de nossa campanha. Meu personagem morreu de forma épica para salvar o grupo (na verdade o mestre havia rolado muitos 20 nesta aventura e alguém iria morrer, e acabei por me candidatar a isso), com a moral baixa do grupo (e um pouco de pesar do mestre), a campanha virou para o resgate de Eclypse nos reinos inferiores. E quando eles finalmente encontraram o elfo lá, foi algo realmente emocionante para todos. O resgate foi decidido por 2 motivos, I) os jogadores lembraram que a divindade menor havia feito uma profecia em que o equilíbrio do mundo conhecido dependia da desarticulação da traição sofrida pelo meu personagem, e como seria feito isso se ele estava trancafiado no plano inferior? II) houve um concesso de que a atitude heroica merecia um "payback", porque não foi uma morte do tipo "tem um poço e eu pulo pra ver o que tem no fundo dele".
    Isso prova que mesmo os acidentes e 20's acidentais podem gerar uma boa virada de campanha. Bom cast, e que venham mais caçadas. =D

Leave a Reply

'